quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Ego ou fome.

Estranha sensação
Esta a qual me entrego
Não sei se é fome, ou se é ego
Sei somente que acontece na minha barriga.
Ou será no meu umbigo?
Será que acontece só comigo?

Queria saber o que é
Para dar-lhe um nome
Não sei se é ego, ou se é fome
Fica difícil saber
Em meio a minha vaidade
Diferenciar com precisão
Desejo de necessidade

Saciarei tal vontade
Senão me apego
Mas é vontade da fome, ou do ego?
Ao corpo, soa apenas
Como um sinal de alerta
Que tenta manter
Minha humanidade desperta

Pela fome meu Eu se move?
Pelo ego meu Eu te come?
Te movo com ego.
Te como com fome.

7 comentários:

The human who sold the world disse...

Será que não é fome de ansiedade?

Yara Beatrice Jasmin Nin Poulain Black Mamba disse...

é ego faminto
é fome egocêntrica

Henrique disse...

A sonoridade e ritmo estão fantásticos! Trabalhar atrás das palavras você já está fazendo como um mestre! Abraços e gostei muito

Cris de Souza disse...

Poesia que instiga...
Se ego rejeita a fome aceita ?!?

Diana Borges disse...

ritmada.
li.
encantada.

Rodrigo Mesquita disse...

A pergunta da Cris foi simplesmente fantástica. Embora poucas coisas no mundo são simples e fantásticas ao mesmo tempo.

Sandra Regina de Souza disse...

PErfeição... ritmo envolvente... belíssimas imagens... O ego pode se sentir saciado! bj